Entenda os Indicadores em Saúde

O que são e por que têm tanta importância para a instituição? Veja como desenvolvê-los e usá-los na tomada correta de decisões

Entenda os Indicadores em Saúde

O que são e por que têm tanta importância para a instituição? Veja como desenvolvê-los e usá-los na tomada correta de decisões

Medir os resultados sistematicamente e de forma estruturada é importante para gerenciar uma organização de saúde, incentivando a cultura para excelência. Melhorar continuamente os processos organizacionais vem de encontro com os objetivos de instituições preocupadas com a gestão, a qualidade da assistência e a segurança do paciente. Os indicadores são uma forma de alcançar esses objetivos.

Coletados aleatoriamente, porém, os indicadores pouco contribuem para uma gestão efetiva, analise de resultados e consequentemente os ciclos de melhoria. Por outro lado, quando determinados a partir de objetivos e métricas bem elaboradas, têm a capacidade de expressar o desempenho da organização.

Antes de criar indicadores, é preciso ter muito claros quais são os objetivos estratégicos da organização, pois eles orientarão a tomada de decisão da liderança.

Indicadores são uma forma quantitativa e/ou qualitativa de expressar o desempenho de um processo, permitindo o acompanhamento e sua evolução ao longo do tempo.

São muitos os tipos de indicadores — de capacidade, produtividade, qualidade, efetividade, legislação, segurança, desempenho, lucratividade, rentabilidade, produtividade, entre outros. Nem sempre serão estratégicos, mas todos têm a função de monitorar o desempenho dos processos.

É importante que o indicador seja representativo, de fácil compreensão e disponível em tempo certo, além de permitir comparação.

Existem alguns fatores que podem interferir na qualidade do indicador, como por exemplo, não haver um método de coleta padronizado, um número excessivo de indicadores e indicadores com objetivos não definidos. Esses fatores podem impactar nos resultados esperados e na tomada de decisão, resume Cássia Manfredini, gerente de Normas e Sistemas da Organização Nacional de Acreditação (ONA).

O setor de qualidade e demais áreas da instituição devem trabalhar juntos. “A qualidade precisa ser transversal em uma organização. E os setores precisam se apropriar de seus próprios indicadores”, alerta Cássia Manfredini.

Por fim, ao decidir criar e desenvolver indicadores, a instituição deve proporcionar um treinamento formal para a equipe que irá coletar os dados, monitorar os indicadores e proporcionar reuniões para discussão dos resultados. Com o monitoramento e análise correta dos dados é possível avaliar a qualidade da gestão e dos processos e implantar ações de melhoria.

Por Inês Pereira - Ago/2018
Fim do desconforto com o jejum
Breves considerações sobre a redução da carga horária dos enfermeiros, técnicos e auxiliares de enfermagem

Publicações similares

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Preencha esse campo
Preencha esse campo
Digite um endereço de e-mail válido.
Você precisa concordar com os termos para prosseguir

Menu