IBCC Oncologia cria projeto para testar conhecimento dos colaboradores sobre protocolos internos

“5 minutos de qualidade” ajuda a instituição a rever procedimentos e a diagnosticar a necessidade de treinamentos entre os funcionários

IBCC Oncologia cria projeto para testar conhecimento dos colaboradores sobre protocolos internos

“5 minutos de qualidade” ajuda a instituição a rever procedimentos e a diagnosticar a necessidade de treinamentos entre os funcionários

Instrumento essencial para o setor de saúde, os protocolos nem sempre são conhecidos por todos que trabalham em uma instituição e, muitas vezes, não são seguidos por completo. O risco disso é grande, não apenas para os hospitais e clínicas, mas, sobretudo, para os pacientes.

Visando reduzir o problema, o IBCC Oncologia criou o programa “5 minutos de qualidade”. A ideia, aparentemente simples, trouxe uma nova dinâmica para o instituto e mais segurança para todos os processos.

A diretora de práticas assistenciais do IBCC, Suzana Azevedo Mosquim, explica que a iniciativa consiste em especialistas do setor de qualidade fazerem ligações aleatórias para os profissionais de áreas diversas. Durante a conversa, os funcionários são questionados sobre determinados protocolos estabelecidos para várias situações. As pessoas que acertam as questões são premiadas. Já quando o resultado não é positivo, o IBCC direciona esforços para promover treinamentos e outras iniciativas sobre o protocolo que necessita de atenção. O trabalho não demanda nenhum investimento extra por parte do IBCC Oncologia e acontece bimestralmente.

“São feitas ligações para as áreas assistenciais, de apoio e administrativas com algumas perguntas com foco em qualidade e segurança do paciente. Até o momento, já abordamos temas como acreditação, notificação, acidente de trabalho, documentos da qualidade e políticas institucionais”, explica Suzana.

Lembrando que os protocolos são instrumentos que promovem a padronização da conduta médica nos estabelecimentos de saúde e servem como importante ferramenta para tomada de decisão dos profissionais. Embora os protocolos médicos sejam de fato os mais sensíveis em uma instituição de saúde, são comuns também os documentos para tornar processos administrativos homogêneos e mais difundidos entre os profissionais. 

Apesar da importância dos documentos de apoio, um desafio comum entre os gestores hospitalares é o de conscientizar o público interno sobre a importância de conhecer os protocolos a fundo e de engajá-los quanto ao seu uso de forma correta e constante. Não são raros os profissionais que encaram esses processos preestabelecidos como uma forma de minar a autonomia do colaborador. É essencial, portanto, que as instituições trabalhem para esclarecer a real função deste tipo de documento: agregar maior segurança para os procedimentos com os pacientes e de todos os envolvidos na rotina de cuidados com terceiros. Os protocolos também são vistos como oportunidade para intensificar os números de desfechos clínicos que obtiveram êxito.

De acordo com a diretora do IBCC Oncologia, para colocar em prática o “5 minutos de qualidade”, os integrantes da comissão recebem as perguntas e informações sobre as áreas que devem ser envolvidas em cada fase do projeto. As questões são feitas de acordo com o conteúdo dos protocolos estabelecidos na instituição. O case do IBCC Oncologia foi apresentado durante a Roda de Conversa com a ONA (Organização Nacional de Acreditação), no dia 11 de setembro. Para participar das próximas edições do evento e sugerir novos temas para discussão, escreva para eventos@ona.org.br.

Por Raquel Godin - Out/2019
Idoso bem cuidado
Experiência do paciente ganha relevância nas instituições de saúde

Publicações similares

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Preencha esse campo
Preencha esse campo
Digite um endereço de e-mail válido.
Você precisa concordar com os termos para prosseguir

Menu